sábado, 6 de março de 2010

A PARTILHA DE BENS EM VIDA

Ao se tornar pai (ou mãe) a pessoa passa a ter uma perspectiva diferente na vida. Se antes se tinha como objetivo principal o crescimento pessoal, quer na carreira, quer intelectual ou finenceiro, agora vêm um maior desejo: o de bem criar e principalmente de deixar um legado à sua prole.
A transmissão dos bens aos filhos é feita, em regra, quando da morte do autor da herança, por meio de inventário ou arrolamento de bens (judicial ou extrajudicial, conforme o caso).
Ocorre que ao inventariar os bens do falecido pode-se ter uma série de problemas e dissabores. Por primeiro, não se há de desconsiderar que é extremamente desagradável ter de tratar de questões patrimoniais no período imediatamete sequente à morte do seu ente amado - e vale lembrar que o artigo 983 do Código de Processo Civil detemina que o inventario deve ser, obrigatoriamente, aberto no prazo máximo de sessenta dias contados do falecimento. 
Mas há outras questões a pesar. O processo de inventário pode ser demorado, além de gerar divergências entre irmãos. E, convenha-se, nada mais desagradável a um pai do que saber que seus filhos se desentendem, mormente por essa razão.
Por vezes, os filhos apresentam diferenças entre si que merecem tratamento diferenciado, também na divisão dos bens e, vivo o pai, tem ele autoridade moral para impor certas regras na divisão que, após sua morte não podem ocorrer - exemplo clássico é a história do filho pródigo em que o pai, mesmo tendo dividido os bens aos filhos em vida, novamente acolheu e deu tudo o que tinha àquele que, despreparado, gastou o que recebera, tornando-se miserável.
Outros problemas que os filhos também "herdam" de seus pais falecidos são as dificuldades para localizar documentos e, principalmente,  as despesas de inventário, tributos e emolumentos.
Somando-se ao acima dito a satisfação paterna ao ver os filhos receberem o que o genitor trabalhou toda a vida para legar, surge a solução que, se não é nova - e certamente não o é - sempre gera dúvidas.
Caso a caso deve ser vista a doação em vida, mas em linhas gerais - que é a proposta deste artigo - quer-se dizer que a transmissão de bens em vida se faz por meio de escritura pública de doação, a qual se pode  fazer com ou sem reserva de usufruto aos pais. Da escritura, que é lavrada no Cartório de Notas, constam a qualificação do doador e dos donatários, a descrição dos bens doados e os percentuais que cabem a cada receptor. 
Se houver diferença nos quinhões, ou se a doação for parcial, é imprescindível a aquiescência de todos os filhos, para evitar-se discussões futuras. As despesas são com os emolumentos da escritura, o imposto de transmissão inter vivos e o registro perante o Cartório de Registro de Imóveis.
A diferença em relação à realização da partilha após a morte é que nesta caso, para se fazer inventário ou arrolamento, além dos inconvenientes antes citados, há as despesas com honorários de advogado, que são de seis por cento sobre o valor dos bens a inventariar.
E também se pode, para melhor gerir os custos, fazer doações parciais, por exemplo, uma a cada ano, o que, no caso do inventário ou arrolamento, não é possível.
Outra solução para minimizar conflitos é a elaboração de escritura de testamento, mas sobre esse tema falaremos em outra oportunidade.
Fica, desta postagem, a idéia àqueles que pretenderem facilitar, ainda em vida, a divisão de seus bens e também melhor administrar as despesas, para que promovam a partilha por escritura pública, alertando-se que tal há de ser feito sempre com a orientação de um advogado.

75 comentários:

  1. Achei muito esclarecedora essa matéria.Farei questão de divulgar esse blog para que outras pessoas também fiquem a par de questões relativas a herança.

    ResponderExcluir
  2. Iara Maria Morelli dos Santos7 de março de 2010 19:35

    Achei magnífica essa intenção de informar,pois a grande maioria da sociedade ignora essas questões e acabam sendo lesados em seus direitos
    Parabéns Dr.Daniel
    IaraMaria Morelli dos Santos

    ResponderExcluir
  3. Arildo Martins dos Santos7 de março de 2010 19:52

    Parabéns por esta ilustrativa matéria
    que nos dá uma clareza muito grande sobre
    nossos direitos, na eventual necessidade
    que temos onde recorrer

    ResponderExcluir
  4. Acho de suma importância esse trabalho de divulgar e esclarecer esse tema de grande importancia para todas as familias, e o melhor abordado de forma simples e inteligente!

    ResponderExcluir
  5. gostaria de saber a seguinte informação: na constância do casamento um dos conjuges recebe o prêmio do seguro de vida em virtude do falecimento de seu pai e com ele constroi uma casa onde mora com a família. Em caso de divórcio (comunhão parcial)o referido imóvel entra na partilha de bens?
    obrigada
    Paula

    ResponderExcluir
  6. Paula: por favor, clique no botão contact me e poste a pergunta na janela que vai abrir, que te responderei com prazer.

    ResponderExcluir
  7. Meu pai foi casado com minha mae durante 11 anos, no processo de divorcio passou a casa para o nome dela.Casou-se ele com outra pessoa, a qual ele pôs todos os bens que possue em seu nome, sendo que ambos são casados no civil, desse relacionamento não há filhos, apenas eu e meu irmão do primeiro casamento de meu pai.Nesse caso somos herdeiros legitimos.
    A pergunta é temos direito aos bens que ele possue??
    Posso pedir partilha de bens em vida ??Sendo que para isso terei que entrar judicialmente..
    Outra questão é ..ele é aposentado como procurador de justiça...o qual o salario nao é pequeno..
    Temos algum direito a outros bens que ele tenha tipo: seguro de vida...etc...

    ResponderExcluir
  8. Neila: Os herdeiros somente podem requerer a partilha após o falecimento do titular dos bens. Os filhos do primeiro casamento possuem os direitos hereditários. O seguro de vida não é herança. Em caso de sinistro (morte ou invalidez)a indenização é paga ao beneficiário que o segurado indicou. Não havendo indicação, recebem o cônjuge e os herdeiros.

    ResponderExcluir
  9. boas

    gostaria de saber se no caso de 9 irmaos herdarem uma casa dos pais e nela(casa) mora um dos irmaos que junto com mais quatro nao querem vender e o resto sim , podem meter um irmao na rua para venderem a casa? e se metade nao concordar com a venda tanbem podem vender?

    ResponderExcluir
  10. Anônimo: A questão da casa herdada por nove irmãos não tem direta relação com a partilha em vida. De todo modo, vale dizer que os bens em condomínio (mais de um proprietário) podem ser vendidos se qualquer um dos condôminos tiver interesse. Quando não há consenso, aquele que queira vender o bem pode contratar advogado e ingressar com uma ação denominada "Alienação de coisa comum". O juiz mandará avaliar o imóvel e vendê-lo judicialmente. Ao final da demanda, cada condômino receberá o equivalente ao seu quinhão.

    ResponderExcluir
  11. Obrigado foi muito claro em sua resposta;

    ResponderExcluir
  12. Bom dia , meu pai e minha mae sao separados e nao divorciados, o pai tem uma procuracao da mae para vender o imovel. Somos 4 irmaos, pergunto ele pode fazer a partilha em vida de todo 100% (por ter procuracao)e ou minha mae tbem devera partilhar a parte dela ( 50%).

    ResponderExcluir
  13. Ninguém pode partilhar aquilo que não lhe pertence. A procuração tem poderes limitados que estão nela descritos. Se os poderes são para venda, só isso pode ser feito e o produto da venda (no caso os 50% da mãe) deve ser entregue a ela.

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde,é possível fazer a doação de uma casa a uma pessoa que não seja da família (um amigo)? O doador tem como família, um sobrinho que concorda com a doação.

    ResponderExcluir
  15. Olá. Sim. É possível doar a terceiro, principalmente porque o doador não tem parentes ascendentes ou descendentes. Basta comparecer ao cartório de notas local e fazer a escritura de doação.

    ResponderExcluir
  16. Meu pai faleceu tem dois anos e deixou uma casa sem ser no inventario. Gostaria de saber quantos por cento tenho direito. De familia ele deixou eu minhã mãe e minha irmã?

    ResponderExcluir
  17. Paula: depende do regime de bens do casamento entre seu pai e sua mãe. Em alguns casos a esposa é herdeira, em outros meeira e em outros ela não tem nenhum direito sobre o bem. É interessante procurar um advogado e levar os documentos para que ele examine.

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde. O meu avô fez uma doação com reserva de duas casas aos meus dois tios, irmãos do meu pai. Na data da doação, o meu pai já tinha falecido. Eu e a minha irmã só fomos informadas pelos meus tios acerca da doação 3 anos depois, já o meu avô tinha falecido.Dúvidas:1-É legitimo efectuar a doação sem informar e estarem presentes todos os herdeiros?2-A restante herança, são bens que não têm grande valor e não cobrem o que foi doado.Os meus tios terão de nos compensar de alguma forma?

    ResponderExcluir
  19. Olá.
    O seu avô tinha direito de doar até 50% do patrimônio aos seus tios e o restante, após o falecimento dele, teria de ser dividido entre todos. Se o valor doado ultrapassa 50% do patrimônio, vocês, netas, têm direito sobre esses bens doados e aí cabe uma ação contra os tios, para anular a doação.
    Boa sorte!

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde. O meu avó fez a doação por reserva de usufruto.O que é uma doação por reserva de usufruto?

    ResponderExcluir
  21. A reserva de usufruto significa que o seu avô possui o direito de usar e gozar do imóvel enquanto esse usufruto durar (normalmente é vitalício). Assim, ele pode residir no imovel, ou do mesmo tirar proveito econômico (locação etc.). Os donatários são chamados de nus-proprietários e somente poderão exercer algum direito sobre o bem após o cancelamento do usufruto.

    ResponderExcluir
  22. Boa Tarde,
    Minha tia tem 6 filhos, mas ela quer deixar a casa para um neto e só uma filha, isso pode??
    eu entendo assim:
    Ela poderá doar seus 50% para o NETO(25%) e a filha(25%) os outros 50% deverá dividir pelos 6 filhos.

    ResponderExcluir
  23. O proprietário do bem que possui herdeiros necessários pode dispor no máximo de 50% daquilo que possui. A respeito, do Código Civil, tem-se:
    "Art. 1.789. Havendo herdeiros necessários, o testador só poderá dispor da metade da herança."
    "Art. 1.846. Pertence aos herdeiros necessários, de pleno direito, a metade dos bens da herança, constituindo a legítima."
    Assim, não se afigura correta a intenção de doar todo o patrimônio a apenas alguns dos herdeiros. Se a doaçao ocorrer, os demais poderão buscar o Judiciário para anulá-la.

    ResponderExcluir
  24. Referiu acima na resposta de dia 17 de dezembro de 2011 12:26 que:'Se o valor doado ultrapassa 50% do patrimônio, vocês, netas, têm direito sobre esses bens doados e aí cabe uma ação contra os tios, para anular a doação.' Dúvida:Existem prazos legais para dar inicio á ação contra os meus tios para anular a doação? Ou podemos contestar a qualquer altura? Nota: As partilhas ainda não foram feitas e o meu avô morreu á 20 anos e a minha avó á 8 anos.

    ResponderExcluir
  25. Sugiro reunir toda a documentação e levar a um advogado que analisará a questão da prescrição de forma mais detalhada, com os documentos em mãos.

    ResponderExcluir
  26. boa tarde,

    Gostaria de me informasse, o meu pai tem uma propriedade que foi adquirida pela morte de meus avós, o meu pai divorciou-se da minha mãe que estavam casados com comunhão de adquiridos, na sentença a minha deixou escrito que não pretendia usufruuir dos bens mas que ficariam para os filhos, neste momento a casa está ao abandono pois o meu pai emigrou para a suiça e perdi-lhe o contacto, um desconhecido agora vive lá na casa e já começou a fazer obras e pelo que sei sem autorização de ninguém. O que devo fazer? Ajude-me!

    ResponderExcluir
  27. Mónica: me parece que você está em Portugal, então deve ser aplicada a legislação portuguesa ao caso. De todo modo, me parece que é necessário verificar exatamente o texto que constou do processo de divórcio e encamunhar a um advogado para analisar se cabe uma ação para tomada da posse do imóvel.

    ResponderExcluir
  28. ola sou a primeira filha, meu pai me registrou qnd ja tinha 13 anos dai pra frenti q recebi a minha pensao de meio salario minimo, ele tem uma empresa de transporte de turismo e eu nunca recebi nem um parabens de aniversario. ele tem mais 3 filhos com outra mulher q casou a pouco tempo, e ele nem deixa ele mandar a minha pensao, ele manda 1 vez por ano qnd os adevogados cobram. gostaria de saber como e se é possivel fazer partilha de bens em vida neste caso sendo ja que nunca ganhei nada dele gostaria de saber se é possivel assim nao teria mais nem um contato com ele ja q eles nao gostao de mim. obrigada

    ResponderExcluir
  29. Olá.
    Não é possível partilhar os bens do seu pai em vida porque ele não lhe dá a devida atenção, ou não paga pensão. A partilha deve ser de iniciativa do proprietário dos bens.

    ResponderExcluir
  30. obrigada por tirar minha duvida....

    ResponderExcluir
  31. olá meu pai tem uma casa e quer vendela tenho 12 irmâo que sâo registrado por ele e dois que sâo filhos de minha mâe e nâo saâo registrados quem tem direito a partilha obrigado

    ResponderExcluir
  32. Enquanto seu pai estiver vivo, a casa (e o dinheiro da venda da mesma) são apenas dele. Se ele quiser, pode efetuar a partilha aos filhos, ou em partes iguais ou dispondo parte maior a quem preferir, lembrando que deve haver reserva de 50% do patrimÔnio total aos herdeiros necessários. O fato de não haver reconhecimento de alguns dos filhos implica na propositura d e ação de investigação de paternidade.

    ResponderExcluir
  33. Boa tarde, Dr. Daniel. Casados pelo regime parcial desde 25 abril 1985 e tudo que temos foram adquiridos pós união, que continua super estável, eu 66 ela 62, não temos filhos. Pergunta 1: como fica nossos bens caso falte um? Pergunta 2: como fica nossos bens caso falte os dois? Gostei dos assuntos tratados neste blog e antecipadamente meu muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com o advento do novo Código Civil de 2002 os cônjuges são herdeiros um do outro em casos como o seu. Se ambos falecerem, a herança segue a ordem legal, ou seja, primeiro os ascendentes e, se não os houver, os colaterais até o segundo grau. Obrigado pelos elogios.

      Excluir
  34. Boa tarde!!Os meus pais já faleceram e deixaram herança para 8 filhos .Eu vivo estou em Portugal,outros 2 nos Usa e o restante no Brasil.O patrimonio são algumas casas e uma fazenda.Os meus irmãos no Brasil uniram-se e não concordam em vender duas casas,numa delas vive uma irmã já há uns anos e a outra vivia a minha mãe.Eles agora dizem que é para a familia se encontrar e não querem vender.Ninguem falou dos pertences pessoais e do ouro que havia , se havia dinheiro no banco e se havia testamento.Como devo fazer para fazer venda dos bens , verificar contas bancárias ou se havia algum testamento e fazer as partilhas .Queria tratar tudo estando em Portugal,porque é preciso muito tempo para tratar da venda de todos os bens e não tenho possibilidades financeiras e tempo para me ausentar de Portugal.Obrigado!!!

    ResponderExcluir
  35. Olá. No seu caso é necessário contratar um advogado no Brasil para rastrear os bens não incluídos no inventário, examinar a partilha e propor ação para venda judicial dos bens que os outros herdeiros se recusam a vender.

    ResponderExcluir
  36. Boa Noite Dr.Daniel! Meu pai teve um AVC,mas está plenamente lúcido,apenas com problemas de locomoção e manifestou o interesse de doar seus bens em vida. Ele tem cerca de 6 imóveis, além de carros... Todos os meus irmãos, 5 no total,além de sua atual esposa,estamos de acordo com os bens que ele quer nos passar... Que devemos fazer então Doutor? Como proceder?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Será preciso fazer uma escritura de doação num cartório de notas. Essa escritura terá de ser, depois, registrada nas matrículas desses imóveis nos cartórios de registro de imóveis. Também será necessário equacionar os custos e o imposto de renda. Seria interessante contratar um advogado para cuidar de todo o processo.

      Excluir
  37. Boa noite Daniel, queria lhe fazer uma pergunta, minha mãe tem um terreno onde eu moro no fundo e ela com minha irma na parte da frente.
    Gostaríamos de fazer uma doação em vida de meio terreno para cada filho, mas nada que precise no momento mexer com escrituras coisas do tipo, algo bem simples, teria como só registrar em cartório esta decisão?, desde já obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. A doação de imóveis é feita por escritura pública e deve-se recolher o imposto de doação. Depois, é preciso registrar essa escritura no Cartório de Registro de Imóveis. Se não se quer fazer documentos, é melhor deixar como está. Outra questão: não se pode doar metade do terreno para cada filho, a menos que ele seja divisível, o que deve ser verificado na Prefeitura. Para fazer essa divisão, se possível, é preciso contratar um engenheiro, que elaborará um projeto que será submetido à Prefeitura e, se aprovado, ao Cartório de Registro de Imóveis para abertura de duas novas matrículas. O que geralmente se faz é doar o terreno inteiro aos dois filhos, em proporções iguais. A partir daí, ambos os donatários estabelecem condomínio sobre o imóvel.

      Excluir
  38. Respostas
    1. boa noite dr eu maria messias e mais seis irmaõs somos herdeiros de uma area de 729mtros mas um ja faleceu os outros dois ja venderam as suas partes para o mais velho eu preciso construir mas naõ foi feito a partilha uma das irmã esta contruindo tudo sem partilha como fica pode ser feito obrigada

      Excluir
    2. Olá. Sempre que alguém falece, o correto é fazer o inventário dos bens, sob a supervisão de um advogado. Se a área for divisível (é preciso verificar na Prefeitura), todos podem combinar qual ficará para cada herdeiro e aí, construir na sua. Pelo tamanho declarado e o número de herdeiros, certamente não haérá possibilidade de subdivisão. Por isso, todos rpecisam se reunir o quanto antes para tratar do assunto pois a cada dia que passa, fica mais difícil resolver os conflitos. Sugiro, desde logo, contratarem um advogado para o caso.

      Excluir
  39. Bom dia Dr. minha avó deixou um imovel de herança e dois herdeiros, sendo que um herdeiro tem 50% e o outro filho falecido deixou 4 filhos legitimos,12,5% para cada um, sendo que meu tio alugou o imovel e não quer pagar as despesas de honorarios advogaticios, e apropriou dos bens da falecida inclusive está com o dinheiro todo pra ele do imovel que foi alugado há um ano, que devo fazer para impedir esta injustiça de meu tio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procure o quanto antes um advogado para que ele proponha as ações judiciais competentes.

      Excluir
  40. boa tarde gostaria de fazer uma pergunta meus avos maternos faleceram,minha mae q era herdeira tambem faleceu.Nos netos temos direito sobre a herança?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. os netos têm direito ao quinhão que seria da sua mãe, a ser dividido em iguais partes entre vocês.

      Excluir
  41. tem como dar parte da herança em vida para dois netos???? mas que seja garantido que
    depois da morte eles não perturbem os outros???? sendo a distribuição por igual, só que quero
    dar logo a parte deles. Favor como faço isso???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser feita doação aos netos por escritura, mas é preciso reservar 50% do total dos bens para os herdeiros necessários (filhos).

      Excluir
  42. Boa noite!
    Meus pais estao em idade avançada e alguns de nós (filhos) jah começamos a nos preocupar com a pequena herança. Somos 5. Quatro estao dispostos a fazer uma escritura de compra e venda contendo o nome dos filhos herdeiros. Um porem, acha que não eh necessario e nega seus documentos para esse fim. O que podemos fazer?
    Desde ja agradecida,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não podem fazer nada. Os bens são dos seus pais. Eles é que têm de fazer algo se quiserem.

      Excluir
    2. Desculpe, mas não entendi. Não podemos fazer nada por conta de nem todos estarem dispostos, em acordo, ou por outros motivos? Uma escritura de compra e venda não ajudaria?
      Vale lembrar também que os velhos jah estão com 95 e 87 anos, não tendo assim mais condições de fazer nada sozinhos.

      Excluir
    3. Para iniciar: escritura de compra e venda deve ser feita se o bem for vendido.Se for o caso, é preciso que todos os compradores concordem, assinem a escritura e paguem o preço. Mas, pelo que entendi, a intenção náo é essa. Caso a intenção seja transferir aos filhos por doação, seus pais podem fazer a escritura de doação (e não de venda) no momento em que quiserem. Todavia, é claro que para isso precisam estar em plenas faculdades mentais e também é necessário que os donatários apresentem seus documentos.

      Excluir
  43. Boa tarde...estou lendo todas as suas perguntas e respostas que são muito esclarecedoras...Parabéns...Gostaria de saber o seguinte: Somos em 6 irmãos e meus pais ainda em vida querem realizar a partilha dos bens entre todos os herdeiros necessários. Alguns dos herdeiros tem interesse de venderem após a partilha a sua parte para os irmãos que tem interesse de comprar...Como isso funciona legalmente???? Quais documentos são necessários???? Todos os herdeiros precisam estar presentes no momento da partilha, já que um herdeiro mora fora do país???? Por gentileza, agradeço se puder esclarecer...Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem problemas. É só fazer uma escritura de doação (com ou sem reserva de usufruto, os seus pais decidem isso, mas a praxe é reservar, ao menos a residência). A escritura é efetuada em um cartório de notas à escolha dos interessados. É importante que todos os filhos participem, ainda que por procuração, para aqueles que não tenham como estar presentes, a fim de evitar futuramente que algum alegue nulidade. Quem poderá orientá-los é o tabelião ou um advogado, que poderáreunir tod a documentação.

      Excluir
  44. Boa tarde... gostaria de saber se as doações só podem ser feitas através da Escritura Pública ou não.
    Viúva meeira, mãe de três filhos, quer doar a totalidade do bem para uma filha, os dois irmãos estão de acordo, a mãe pode fazer essa doação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode doar, mediante escritura pública, com a participação e anuência dos outros filhos. Atenção: a parte que pode ser doada com escritura é a da viúva. A do falecido deve ser inventariada e distribuída entre todos os herdeiros. Para que essa parte vá para aquela filha, todos terão de doar a ela ou renunciar à herança em favor dessa irmã.

      Excluir
    2. Prezado Dr. Daniel...
      já foi feita a renúncia, em favor da irmã, pelos dois irmãos.
      a filha possui 50% e a mãe 50% do imóvel, e já está registrado no cartório de imóveis o inventário.
      Agora a mãe quer doar os 50% dela,somente para filha, com o consentimento dos dois irmão, ficando a filha com 100% do imóvel. haverá a reserva de usufruto para a mãe.
      a pergunta é: essa doação só poderá ser feita em cartório, através de escritura pública?

      Excluir
    3. Sim, deve ser feito por escritura pública, pois essa doação deverá ser registrada à margem da matrícula no Registro de Imóveis e somente com a escritura tal registro será possível. Também terá de ser recolhido o imposto de doação.

      Excluir
  45. Dario 12/112013
    Boa Tarde, procurando informações sobre Testamento em Vida ou Doação em Vida, achei as suas respostas as mais objetivas e esclarecedoras, parabéns Dr. Daniel. Agora minhas dúvidas: Se eu fizer uma Doação em vida( com reserva de usufruto) para os meus dois filhos de uma única residencia, que é considerado Bem Uno, a minha escritura tem que estar registrada no Cartório de Imóveis? E se tratando de uma doação, desse bem, se houver alguma dívida judicial os meus filhos terão que arcar com essa dívida? Podem perder essa residencia pára a Justiça mesmo sendo uma Doação, mesmo sendo um Bem Uno?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde.
      A doação é feita por meio de escritura pública que, assim como qualquer transmissão de imóvel, deve ser registrada à margem da matrícula no Cartório de Registro de Imóveis.
      Quando diz "Bem Uno", imagino que você queira dizer "bem de família", que é aquele imóvel único usado como residência pela família. Esse bem é impenhorável por lei. Se for transferido para os filhos na constância de uma dívida, pode até ocorrer de o juiz considerar que houve fraude contra credores e, como a parte transmitiu, julgar que deixa de ser bem de família, o que viabilizaria a penhora. Portanto, nesse caso não é aconselhável a doação.

      Excluir
  46. Caro Daniel. Meus pais estão querendo fazer escritura publica de 4 imoveis, em vida, com usufruto deles, para 4 filhos pois o 5º filho já foi ajudado com imovel passado em seu nome. Qual seria a melhor maneira de pós morte os 4 filhos terem assegurados para si os 4 imoveis sem que o quinto filho requeira novamente divisão por cinco dos 4 imoveis ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se os quinhões distribuídos entre todos os filhos forem similares, dificilmente haverá algum problema. Entretanto, por precaução pode-se pedir a todos os irmãos que assinem a escritura como anuentes.

      Excluir
  47. Nesse caso, qual seria melhor documento: adiantamento da legitima (proposto pelo cartorio) ou partilha em vida ? ou são a mesma coisa ? Agradeço pela atenção desde já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Partilha em vida não é o nome de um documento, assim como adiantamento de legítima também não. A forma de fazer a partilha em vida (ou adiantamento de legítima, se assim preferir chamar) é a outorga de uma escritura pública em que os bens são passados do detentor do domínio aos aos herdeiros do mesmo. O oficial do cartório saberá como fazer.

      Excluir
  48. Gostaria de saber: Meus pais ainda em vida querem realizar a partilha dos bens entre todos os herdeiros devido conflitos.
    Meu pai casou-se duas vezes e com a primeira esposa teve 6 filhos e herdou tudo que tem hoje da primeira esposa.
    Do segundo casamento teve 11 filhos e a mesma também faleceu.
    Ele tem fazenda e varias propriedades. Como procede a divisão e partilha destes imóveis entre os herdeiros do primeiro e segundo casamento?
    Os filhos do primeiro casamento têm mais direito na partilha, devido que os bens que meu pai possui foi herança da primeira esposa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria: Todos os filhos têm direitos idênticos; portanto, os bens devem ser repartidos em partes iguais, salvo se o seu pai quiser fazer de forma diferente. Nesse caso, ele poderá reservar uma parte dos bens para dividir como quiser. Tudo está previsto no Código Civil. Sugiro consultar um advogado e mostrar todos os documentos.

      Excluir
  49. Boa tarde Daniel, gostaria que me esclarecesse uma dúvida por favor. Construí uma casa na lage da casa do meu pai,somos só eu e um irmão que sempre diz que se meu pai e minha mãe vierem a fa-lecer antes dele que ele vende a casa debaixo, uma vez que a casa passará a ser dele já que eu usei a lage para fazer a minha; pergunto: é assim que funciona ?A partir do momento em que eu construí minha casa, perco qualquer direito na casa debaixo? E ele que não construiu nada, porque herdaria a casa debaixo sozinho?Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a casa é dos seus pais, quando eles falecerem, o bem terá de ser partilhado entre todos os herdeiros e você poderá pedir uma indenização pelas despesas que teve e que aumentaram o valor do imóvel.

      Excluir
  50. Boa tarde! Parabéns pelo blog. Quando ainda estava casado minha sogra passou uma casa com terreno, a dois filhos, entre eles, minha mulher, para que somente usufruíssem pós morte da sogra, Fui casado com comunhão total de bens. Pergunto: Tenho direito também a parte que foi passada a minha ex-mulher. Minha ex sogra é viva.

    ResponderExcluir
  51. Boa Noite Dr. Daniel, gostaria que me esclarecesse, meu tio estava muito doente fez uma cirurgia e estava com câncer depois desta cirurgia ficou muito mal e voltou ao hospital em 07.09.2008, faleceu em 30.10.2008, em 28.08.2008 ele junto com sua esposa fez uma Escritura de Doação de Usufruto para 3 moços que são visinhos, os mesmo levaram o tabelião na casa deles e fizeram a escritura não na casa do meu tio mas sim na casa deles. No mesmo quintal do meu tio tem minha tia com 80 anos que não sabia de nada sobre esta escritura, ficou sabendo agora quando a esposa do meu tio faleceu que foi 30.10.2014, os moços logo que minha tia faleceu já entraram dentro da casa falando que ia reformar ela para ser alugada. Só Dr. Daniel a casa da minha tia e dos meus tios que faleceram foi o meu avó junto com o meu pai que compraram os materiais, minha tia mora lá a 50 anos. Gostaria de saber se minha tia tem algum direito. Desde já lhe agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. É preciso fazer uma análise da documentação do imóvel. Sugiro procurar um advogado e tratar do caso pessoalmente.

      Excluir